23 de setembro de 2015

FIM! (segunda versão)

Versão reduzida em 77palavras do conto Fim! (ver aqui)
Para mim deixou de haver amanhã. Os móveis foram doados, a poltrona ficou sem serventia, destroçada. Nela, Emília foi pedida em casamento, descansou, mal regressou das núpcias, sentiu as dores de parto, amamentou a filha, observou-lhe as brincadeiras, chorou, riu, morreu.
Eu e ela. Abandonadas, nós que testemunhámos tanta vida. Encostado a mim, como um espectro, José nem se apercebe que tudo tem um fim. O Alzheimer permitiu-lhe esquecer as perdas. Vai partir para o lar. Inevitável.

Desafio nº 98 da Margarida Fonseca Santos: 
conto a partir da fotografia de Pedro Teixeira Neves
Enviar um comentário