23 de setembro de 2015

FIM! (segunda versão)

Versão reduzida em 77palavras do conto Fim! (ver aqui)
Para mim deixou de haver amanhã. Os móveis foram doados, a poltrona ficou sem serventia, destroçada. Nela, Emília foi pedida em casamento, descansou, mal regressou das núpcias, sentiu as dores de parto, amamentou a filha, observou-lhe as brincadeiras, chorou, riu, morreu.
Eu e ela. Abandonadas, nós que testemunhámos tanta vida. Encostado a mim, como um espectro, José nem se apercebe que tudo tem um fim. O Alzheimer permitiu-lhe esquecer as perdas. Vai partir para o lar. Inevitável.

Desafio nº 98 da Margarida Fonseca Santos: 
conto a partir da fotografia de Pedro Teixeira Neves

12 de setembro de 2015

MONÓLOGO

- Diz-me: que tens? Porque não sorris? Porque não falas? Estás tão triste! Que fardo carregas? Desabafa comigo, agora!
(brotam silêncios ameaça(dores))
- Engoles tanta amargura! Choras, qual Madalena. Despede esses sentimentos. Quero tanto ajudar-te. Permite-mo, por favor! Abre o coração. Liberta a mente. Quero estar contigo. Quero poder amar-te. Despreza quem traiu. Esquece-o, apaga-o, ignora-o. Mata as recordações. Passado é passado. Não o ressuscites.
(ouvem-se silêncios promissores)
- Olha em frente. Repara em mim. O presente existe. Deixa-me entrar! 

Desafio RS nº 29, da Margarida Fonseca Santos:
 sempre frases de 3 palavras apenas (exceto a última)

6 de setembro de 2015

NA FEIRA DO LIVRO DO PORTO

Hoje foi uma tarde de Feira do Livro, no Porto. Numa sessão de autógrafos com uma forte concorrência, foi uma honra estar sentada ao lado da Alice Vieira que atrai multidões. Quando for grande, quero ser como ela!!!