13 de fevereiro de 2017

FUTURO ROBÓTICO

A polémica instala-se. A discussão gera confusão. 
Aceito, naturalmente, a mudança, desde que não me despedace o coração de susto. Tão simples quanto isso. 
Estou preso no passado? Não. Esse futuro sem luz, sem uma nesga de emoção, rejeito-o. Todo o saber lá estará, mas… juntando-lhe frieza e inteligência artificial, pisados ficarão os sentimentos. 
Nem este trevo de quatro folhas me faz prever um destino afortunado para a humanidade. 
Não, não quero viver neste futuro robótico anunciado!
Enviar um comentário