23 de dezembro de 2014

TECENDO O NATAL



Por ser enorme e ter menos uma perna, tecia teias diferentes, por isso a recriminavam e ela isolava-se. 
Era véspera de Natal. Quando entrou na sala, sorrateira, para fazer a teia, estranhou. Não havia pinheiro iluminado, nem música, nem cheiro a consoada. Apenas viu Dalila que chorava o seu azar. Fábrica falida, desempregada, fartura só de desânimo. 
Então, em vez da teia, com os mais finos fios de seda, Aracnídea teceu o vestido com que Dalila sonhara.




Desafio nº 80, da Margarida Fonseca Santos:
uma história de Natal com uma personagem imposta: o Natal de uma aranha, daquelas bem grandes...
Enviar um comentário