5 de outubro de 2013


Mão que treme, perna que manca, sorrisos baços de cansaços, o velho chega e senta-se no banco do jardim, todos os dias, para ouvir o trinado das aves, a única música que lhe dá brilho ao olhar e lhe apazigua a solidão. 
E aquele rosto muda o semblante à medida que o tempo escorre. O relógio é rápido e cruel. 
Chega o implacável inverno. Os pássaros vão e deixam-no só no jardim. Dói-lhe o ruído do silêncio.

(uma estória onde entrem as palavras música, silêncio, ruído)
Enviar um comentário