3 de maio de 2017

SEMANA CULTURAL DA UNIVERSIDADE SÉNIOR DE SANTA MARIA DA FEIRA

À imagem do ano passado, a Universidade Sénior de Santa Maria da Feira está a dinamizar a sua semana cultural com eventos espalhados pelos cafés e restaurantes da cidade, terminando na Biblioteca Municipal no dia 5 de maio.
E, à imagem do ano passado, fui convidada para estar presente numa sessão e registar o momento, com palavras. Coube-me a sessão dedicada aos anos 60. Não poderia ser melhor. Foi na década de 60 que nasci (inaugurei a década, pode-se dizer!) e abri os olhos para a vida.
No final, o texto ficou pronto. Transcrevo-o:

A máquina do tempo vai arrancar. A viagem vai começar numa noite espiada pela lua em quarto crescente. Ao longe, o castelo observa a Taberna do Xisto que, hoje, se transformou e misturou novos sabores, de saberes cruzados.
Um, dois, três… Partida! Destino: anos 60. Cá vamos nós!
Chegamos. Aterramos.

Em Portugal, cresce a desilusão perante um regime ditatorial.
Depois de uma guerra mundial, cresce a revolta perante uma guerra colonial.
Cresce a frustração.
Cresce a contestação contra um Estado parado, vazio, alheado do mundo onde grassa a desigualdade.
“Mas há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não”. Não à ditadura, não à ignorância, não a qualquer forma de tirania. E muitas foram as formas de dizer não. Com palavras de contestação, mas forradas de poesia. Com pincéis e tintas (por vezes mais eloquentes do que as palavras). Com música interventiva mais certeira do que balas no combate à injustiça. Com a moda provocatória. Com danças energéticas. Com manifestações hippies num colorido e relaxado festival Woodstock. “All we need is love”, “Peace and love”, “Make peace not war” são gritos de paz porque a guerra não é bem-vinda. Nem hoje, nem amanhã. Nem nunca!
“Quantos caminhos tem um homem de percorrer para que lhe chamem homem? Quantos anos podem alguns existir antes que lhes seja permitida a liberdade?” Perguntas feitas pelo recém Nobel da Literatura Bob Dylan. Muitos caminhos foram percorridos e muitos anos passaram para que a liberdade nos fosse permitida.
Hoje, aqui e agora, viveram-se momentos impossíveis de serem vividos sem liberdade, esse bem precioso que nos permite respirar, correr e gritar aos quatro ventos. E esta gente da Universidade Sénior de Santa Maria da Feira correu, cantou, dançou para trazer até nós uma época tão rica em cultura, apesar de, ou, talvez, devido à ditadura e à consequente contestação. Monstros consagrados vieram até à Taberna trazendo na bagagem o seu saber.
Cinquenta décadas depois, vivemos dias frenéticos, mas, hoje, não fomos derrotados pela pressa, derrotamos a pressa. Revivemos momentos. E nem foram precisos charros nem máscaras. Porque há gente que sempre lutou e gente que continua a lutar, contra ventos e marés. Assim, deixo a minha homenagem a todos, eles e elas, gente da Universidade Sénior, num texto à moda de Ana Hatherly, mulher da cultura portuguesa em destaque nos anos 60.

Esta Gente
O que é preciso é gente
gente com garra
gente que tenha garra
que mostre a garra

O que é preciso é gente
gente que não seja malevolente
nem indolente
nem insolente
nem prepotente
mas, sim, gente polivalente

RESILIENTE

O que é preciso é gente
gente com mentes sãs
mesmo que carreguem algumas cãs
gente com alma sadia
que não viva uma vida vazia

O que é preciso é gente 
que espicace toda essa gente
que, dominada pela indolência,
não é gente
como esta gente
que não se deixa dominar por gente

INDIFERENTE!

Gente que é gente
Vai à luta
Só assim sabe que é gente

Gente que é gente
Partilha o saber
E, em todos os seus gestos,
Esta gente dá amor
Esta gente traz palavras que têm cor
E todos os seus gestos emanam calor
Esta gente solta freios
E mata os silêncios alheios.

Enviar um comentário