20 de fevereiro de 2015

NO BICO DO LÁPIS, A LIBERDADE

Moro no bico do lápis
azul que já não reprova

Deito-me na espuma do mar
durmo no verde que traz esperança
e a semeia pelo ar

Desenho um papagaio de cordel
e com ele voo na ânsia de crescer
desenho um cavalo a correr
e parto num grande tropel

Pinto de negro a ignorância
o medo e a intolerância
pinto de branco a união
a paz e a concertação

Corto amarras resistentes
derrubo muros renitentes
grito com a força dos tufões
traço as minhas pulsações

Risco espadas e punhais
matizo beijos e cristais
tinjo a chuva, bordo o sol

Indelével
espalho-me em páginas brancas
maculo-as
sílaba a sílaba, escrevo-me
LI-BER-DA-DE
Enviar um comentário